Gícia Amorim apresenta solo baseado em recombinações

Foto_arnaldo_j_g_torres Khi significa cruzamento de lógicas opositivas (presente/ ausente, movimento/ não movimento, bem/mal, som/ silêncio, determinado/ indeterminado…), que não se reduzem uma à outra. E este também é o nome do solo que a coreógrafa e bailarina Gícia Amorim apresenta no Teatro Fábrica São Paulo nos dias 22 e 26 de junho e 6 de julho.
Segundo Gícia, “Com o espetáculo Khi proponho trazer o novo a partir da releitura de trabalhos anteriores. Como o meu corpo de hoje dialoga e expressa as informações que o habitaram no passado? A cada noite, as frases de movimento serão recombinadas e também estarão abertas à modificações.”
Saiba mais sobre o trabalho de Gícia Amorim no site www.fabricasaopaulo.com.br.