Em junho, a dança toma conta do Itaú Cultural

Começa nesta quinta-feira, em São Paulo, a Mostra Rumos Dança, realizada pelo instituto Itaú Cultural.

“Até então, o Rumos Dança só apoiava desenvolvimento de pesquisa de linguagem coreográfica e videodança. Na edição 2012-2014, apoiou quatro carteiras, todas elas envolvendo formação”, explica Sonia Sobral, gerente do núcleo de artes cênicas da instituição.

Encerrando um ciclo de cinco edições, o evento apresentará em sua programação o resultado de 31 bolsas de pesquisa e criação: 13 para desenvolvimento de pesquisa de criação; 6 para formadores – artistas que exercem formação em sua cidade dentro e fora de escolas ou universidades; 6 em dança para crianças; e 6 em residência para criadores.

Para a artista mineira Thembi Rosa, que irá apresentar “Perceptrum”, no dia 13, e a performance infantil “Parquear”, concebida com o núcleo colaborativo Dança Multiplex, no dia 8, um dos diferenciais do Rumos Dança “é a liberdade de poder testar, pesquisar, e a visibilidade que se dá a esse momento da criação.” Thembi já havia sido contemplada pelo Rumos Dança, em 2004. Sua pesquisa de criação atual é sobre a relação entre dança e tecnologias digitais: cria padrões de movimentos lidos em tempo real por um software de computador, concebido pelo matemático Manuel Guerra, que são transformados em desenhos, concebidos por Lucas Sander.

Thembi Rosa e Dorothé Depeauw em Perceptrum. Foto: Ceci?lia Pederzoli.

Thembi Rosa e Dorothé Depeauw em Perceptrum. Foto: Ceci?lia Pederzoli.

Participam da Mostra, artistas de 13 estados das regiões sul, sudeste, nordeste e norte. Apenas a região centro-oeste não integra a programação. “Nunca recebemos muitas inscrições das regiões centro-oeste e norte”, afirma Sonia Sobral, que acredita que a maior dificuldade encontrada em projetos dessas regiões é o entendimento equivocado de pesquisa de criação. “Existe um entendimento de pesquisa que é para pesquisar figurino, trilha sonora, um tema da coreografia. O que entendemos por pesquisa é um sistema aberto para testes em que o artista sabe o que está buscando mas que, dependendo das descobertas, sua proposta inicial pode se transformar. Passa mais por uma questão a ser resolvida do que por um tema”, finaliza.

Além de resultados de pesquisa de criação, a programação apresenta exposições de painéis de artistas-formadores, relatos de artistas-residentes, e por debates com pesquisadores convidados.

Damires D’arc mora em Manaus e está em São Paulo desde janeiro em residência de criação com Toshiyuki Tanaka. “Minha proposta de residência chama-se ‘Vivência de afeto’. Nela, procurei elaborar de maneira performativa o banho de ervas que minha mãe sempre fazia e no qual eu percebia uma mistura de cultura indígena-cabocla com a religião católica.”, explica Damires, que pela primeira vez experimenta criar um trabalho autoral. Segundo ela, a experiência com Toshiyuki tem lhe ajudado a acessar um estado de presença e integralidade do corpo. A exposição de seu processo de residência irá ocorrer no dia 11, às 16h.

“O que pode um corpo hoje?” é o tema do debate que abre a Mostra, nesta quinta-feira, conduzido pelo filósofo Peter Pál Pelbart e pelo sociólogo Laymert Garcia. Haverá mais dois debates: um entorno do tema “Criação e formação em dança” (13), conduzido pela pesquisadora Christine Greiner, e outros sobre “Política de editais” (15), conduzida pela crítica Helena Katz, Alfredo Manvy, secretário-executivo do Ministério da Cultura durante o governo Lula, Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural, e conta com quatro artistas convidados a levantar questões ou afirmações sobre suas experiências com esse tipo de política cultural do país.

A mostra acontece entre os dias 6 e 19 de junho (exceto a segunda-feira, dia 17), na sede do instituto Itaú Cultural, na Casa das Rosas – espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, Parque Trianon e na Casa do Povo, em São Paulo.

 

Serviço:

Mostra Rumos Dança 2012-2013
domingo 6 de junho a domingo 16 de junho
terça 18 de junho e quarta 19 de junho
vários horários
vários lugares

Entrada franca – ingressos distribuídos com meia hora de antecedência (com exceção das apresentações no Parque Trianon e na Casa das Rosas)

Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura
Avenida Paulista 37 Bela Vista [estação Brigadeiro do metrô]
fones 11 3285 6986/3288 9447 casadasrosas-sp.org.br

Parque Trianon
Rua Peixoto Gomide 949 [altura do nº 1700 da Avenida Paulista]

Espaço Casa do Povo
Rua Três Rios 252 2º andar Bom Retiro
fone 11 95251 4595 reservas: bio@lote24hs.net

Itaú Cultural
Avenida Paulista 149 São Paulo [estação Brigadeiro do metrô]
fone 11 2168 1777 atendimento@itaucultural.org.br