Renée Adorée em Lisboa

A ação passa-se num local ao qual o público não tem acesso direto. Dentro de uma caixa hermeticamente fechada que inverte o princípio da camera obscura a ação é projetada para o seu exterior. Cria-se uma espécie de “cinema ao vivo”, mantendo o sentido original do indireto. Direção artística, coreografia, interpretação e cenário de Inês Jacques. Dia 15 de setembro, às 22h, no Auditório 1 do Centro de Congressos de Lisboa.