Últimas oportunidades de assistir Devir, do BTCA

Devir_isabel_gouvea Quem não assistiu à estréia nacional de Devir, durante as comemorações que marcaram o aniversário de 25 anos do BTCA/Bahia Ballet no mês passado, terá mais duas únicas oportunidades este ano. Nos dias 16 e 17 de dezembro, às 20h, a companhia dirigida por Lílian Pereira volta ao palco principal do Teatro Castro Alves para mostrar novamente sua 50ª coreografia, especialmente criada pelo paulista Mario Nascimento.

No dia 16 (sábado), quem abre a noite são os bailarinos do João Perene Núcleo de Investigação Coreográfica, mostrando trechos de “Soco no vento”, “Monologo para alguns corpos” e “Desejo fatiado”, coreografias assinadas por João Perene. Já no dia 17 (domingo), é o grupo Ôsomuié que abre a noite apresentando “Strambello”, de Hélio Silva, Luiza Meireles e Rodrigo Mello.

Devir foi criada por Mário Nascimento inspirada no conceito do vir a ser, uma vontade de mudança e de ir por outros caminhos. O coreógrafo foi buscar em Heráclito (540-480 a.C.) o fragmento filosófico que qualifica a mudança constante, exemplificada por um rio, “que continua o mesmo, a despeito de suas águas continuamente mudarem”. Na concepção do trabalho está o balé contemporâneo, o improviso e a provocação, sem deixar de lado a experimentação de elementos ligados ao circo, capoeira e artes marciais.